Toda luz que não podemos ver, de Anthony Doerr – Uma resenha

Resenha do livro Toda luz que não podemos ver, vencedor do Pulitzer de 2015 e finalista do National Book Award.

Resenha do livro Toda Luz Que Não Podemos Ver: a capa do livro é uma foto da cidade de Saint-Malo, na França

Quando uma obra de ficção é vencedora de um prestigiado prêmio literário, as pessoas ficam curiosas para conhecê-la, afinal, para merecer os louros da vitória, deve ser excelente. A cada dia que passa, penso se tratar do contrário. Prêmios significam nada, ou melhor, podem significar várias coisas, mas não são sinônimos de qualidade.

Acredito ser possível notar o tom desta resenha. Vamos direto ao ponto, explicando minha decepção.

Dois lados de uma guerra

Toda luz que não podemos ver apresenta um enredo ambientado durante a Segunda Guerra Mundial, cobrindo dez anos (1934-1944) das vidas de Marie-Laure LeBlanc e Werner Pfennig.

Marie-Laure é uma garota francesa, filha de um funcionário do Museu de História Natural de Paris. Por conta de uma doença ocular, ela perde a visão, precisando se adaptar à nova condição. Com a ajuda do pai, que constrói maquetes de seu bairro, aprende a se locomover de maneira autônoma, e é alfabetizada em Braille. Após a invasão alemã, deixam a capital e fogem para Saint-Malo.

Werner Pfennig é um garoto alemão órfão, que vive com a irmã, Jutta, em um orfanato localizado em Zollverein, um complexo de minas de carvão. Interessa-se por física e tecnologia, sobretudo rádios, os quais logo aprende a consertar. Werner, como inúmeros jovens de seu tempo, é obrigado a servir ao nazismo, ingressando numa escola de treinamento militar. Graças aos seus conhecimentos tecnológicos, consegue um posto melhor e é colocado no Wehrmacht, com o objetivo de rastrear transmissões ilegais e inimigas.

Ficou claro: de um lado veremos a situação dos invadidos, dos franceses, do outro, a dos invasores, os alemães.

Um roteiro

Este é um daqueles livros que começam pelo fim e depois relatam como as coisas chegaram àquele ponto. Os capítulos são bem curtos — como ocorre nos romances de Machado de Assis —, e alternam entre a história de Marie-Laure e Werner. É fácil adivinhar aonde a narrativa, que se alterna, chegará. Anthony Doerr fez uso desse artifício para criar suspense e tensão. Pena que o clima é quebrado por boas doses de enfado, dado que sua escrita, apesar de fácil compreensão, é bastante descritiva. Sem falar que o clímax não entrega o que vai sendo prometido ao longo da leitura, ou seja, brochante.

A temática Segunda Guerra Mundial já foi deveras explorada na literatura. Toda luz que não podemos ver não traz nada de novo ao tema. Aliás, é um livro sem grandes debates morais sobre o que ocorreu naquele período, sem aprofundamento filosófico. Os personagens são um tanto quanto “isentos”, parecem nunca tomar partido.

Para dar uma atmosfera misteriosa à trama, há a presença do Mar de Chamas, uma pedra preciosa detentora de poderes mágicos (é o que dizem). E não para por aí! Um Deus Ex Machina também dá as caras, na forma do nazista Reinhold von Rumpel, cujo o papel é criar alguns momentos tensos para a vida de Marie-Laure. Von Rumpel almeja encontrar o Mar de Chamas por motivos pessoais, e de saúde, entretanto, assim que deixa de ser necessário, é descartado pelo enredo, sem rodeios.

O autor tentou ao máximo não inserir violência no romance, algo difícil tendo como pano de fundo uma guerra. Faz sentido, visto que seu foco é outro. O que não fez sentido foi uma cena no final, onde ocorre um estupro coletivo. Uma cena sem utilidade, que destoa de tudo aquilo que o livro construiu. A única justificativa seria dizer o destino de uma personagem, algo que poderia passar batido, ou ter sido elaborado de outra forma.

Fiquei com a impressão de que Doerr lapidou sua obra minuciosamente, deixando-a parecida a um roteiro. Nenhum roteirista teria quaisquer dificuldades para realizar uma adaptação. E, ao que tudo indica, a Netflix já está trabalhando nisso!

Sobre a edição

Brochura, capa com orelhas e acabamento Soft Touch, miolo em papel Pólen Soft e diagramação confortável. A arte da capa é assaz bonita e, com certeza, chama a atenção do leitor.

Tradução de Maria Carmelita Dias, que realizou um bom trabalho. A revisão, por outro lado, falhou em algumas ocasiões e certos errinhos passaram. Pode ser que tenham sido corrigidos em reimpressões futuras.

Conclusão

Sinceramente, o livro passou longe daquilo que eu esperava (e imaginava) de um best-seller vencedor do Pulitzer. É até difícil compreender a razão de ter ficado com o prêmio. Enfim, fiquei decepcionado, aguardava algo diferente.

Ruim? Talvez chato e sem graça sejam termos mais adequados para definir Toda luz que não podemos ver. Nota-se que Anthony Doerr escreveu bem e com muito cuidado, porém, o resultado final ficou parecido com uma história young adult que acontece na Segunda Guerra Mundial. Não é meu estilo.

Houve a inserção de um “amor à primeira vista” só para ficar legal, pois a narrativa pende para o lado do sentimentalismo, e o desfecho deixou a desejar, com um salto temporal gigante e sem nexo. Um romance sem nada a agregar, que foi alongado desnecessariamente. Finalizar a leitura exigiu esforço, foi de “Doerr”!

Minha nota (de 0 a 5): 1,5 ⭐

Detalhes do livro Toda Luz Que Não Podemos Ver, de Anthony Doerr, pela editora Intrínseca
É inegável, a capa é muito bela!

Ficha técnica

Título: Toda luz que não podemos ver
Autor: Anthony Doerr
Tradução: Maria Carmelita Dias
Editora: Intrínseca
Ano: 2015
Páginas: 528
ISBN: 8580576970
Encontre esse livro na Amazon: https://amzn.to/3uLtEwN

O que achou desta resenha? Já conhecia o livro? Diga aí nos comentários, quero saber sua opinião! Aproveite e siga o blog nas redes sociais, inscreva-se na newsletter e deixe seu gostei!

Obrigado pela visita!


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Autor: Alan Martins

Graduado em Psicologia. Amante da Literatura, resenhista e poeta (quando bate a inspiração). Autor e criador do Blog Anatomia da Palavra. Não sou crítico literário, porém meu pensamento é extremamente crítico. Atualmente graduando em Letras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s