Os irmãos Karamázov, de Fiódor Dostoiévski – Uma resenha

Venha ler minha resenha de Os irmãos Karamázov e conheça esse clássico escrito por Fiódor Dostoiévski!

Capa do livro Os Irmãos Karamázov, Editora 34, tradução de Paulo Bezerra

Poucas obras atingem a unanimidade de Os irmãos Karamázov. Marco da literatura universal, influenciou escritores e pensadores como Nietzsche e Freud, que o considerava “o maior romance já escrito”.

O último livro publicado por Dostoiévski em vida é extenso, denso e complexo. Repleto de filosofia, apresenta debates que, de tão atuais, fazem parecer se tratar de um escritor contemporâneo.

Três irmãos

Fiódor Pavlovitch Karamázov é um homem de 55 anos. Levou uma vida libertina, casando-se duas vezes. Com o dinheiro obtido como dote de suas falecidas esposas, conseguiu subir na vida.

Do primeiro casamento, veio Dmitri, orgulhoso e apaixonado. Ivan, intelectual e atormentado, e Aliócha, “puro” e místico, são frutos do segundo matrimônio.

Acho difícil alguém dizer que os Karamázov compõem a família mais unida e harmoniosa do mundo. Fiódor Pavlovitch nunca foi um pai presente e seus filhos não são tão próximos.

Cada irmão possui uma personalidade bem distinta. Dmitri, com seu orgulho, se parece um pouco com o pai, e ambos amam a mesma mulher. A paixão torna-os rivais. Ivan é inteligente, estudioso e está por dentro do socialismo e do ateísmo. Aliêksei, ou Aliócha, é religioso e entrou para o mosteiro do stárietz Zossima.

Apesar das distinções, os três irmãos acabam se dando bem e nutrem sentimentos mútuos. Porém, o conflito entre Dmitri e o patriarca da família mudará completamente a vida e a perspectiva de todos eles.

Os temas abordados em Os irmãos Karamázov

Quem conhece o autor sabe que seus romances são intensos. Dostoiévski foi um socialista arrependido. Não largou a causa totalmente, ainda se importava com as questões sociais e a pobreza na Rússia czarista. Entretanto, abominava a violência, o radicalismo e a hipocrisia do movimento, que evoluía no final do século XIX.

Isso não fez dele um conservador, ou um capitalista. Em determinado momento de sua vida, tornou-se uma pessoa bastante religiosa. Tinha a convicção de que a aproximação entre o socialismo e o ateísmo seria algo negativo.

No romance, vemos os socialistas da época representados por Ivan, a brutalidade da antiga Rússia em Dmitri e a religiosidade e o novo em Aliócha. O autor escolheu o “caminho do meio”, acreditando numa união entre política e religião, ideia execrada pelos defensores do progressismo.

Fica muito claro que Aliócha é o preferido do escritor. Mesmo sendo “puro”, o rapaz é um pecador, e está ciente de tal fato. Haveria uma sequência desse livro, onde Aliêksei seria o protagonista. Infelizmente, Fiódor Dostoiévski faleceu poucos meses após a publicação de Os irmãos Karamázov.

Existem várias interpretações para esse grandioso romance, tudo depende de sob qual lente o leitor fará sua análise. Diferentes compreensões políticas e filosóficas podem gerar diferentes significações. O confronto entre pai e filho (complexo de Édipo) faz parte de uma visão psicanalista da obra, e Sigmund Freud a reverenciava por diversos fatores. Ou seja, motivos não faltam para conhecê-la.

Sobre a edição da Editora 34

Dividida em dois volumes, a edição da Editora 34 vem em uma caixa (ou luva) feita de papel cartão. Encadernação brochura, capa com orelhas, miolo em papel Pólen Soft e diagramação confortável. Ao longo das mil e tantas páginas, o leitor encontrará ilustrações de Ulysses Bôscolo, um toque diferenciado.

Tradução e notas de Paulo Bezerra, diretamente do original em russo, a partir da edição crítica das obras completas de Dostoiévski. Ótima tradução, já que, por ser direta, apresenta menos perdas de estilo e pormenores.

Já vi muita gente reclamar do tradutor. Acontece que tais pessoas levam em conta a visão política de Paulo Bezerra. Ele é um profissional sério, assim como a Editora 34. Sua opinião não interferiu em seu trabalho. Afirmar o contrário é acreditar em teorias da conspiração.

Seria interessante que outras editoras publicassem edições de Os irmãos Karamázov com traduções diretas do idioma original. Dessa forma poderíamos comparar as traduções, e os leitores sairiam ganhando.

A edição da Martin Claret, assinada por Herculano Villas-Boas, utilizou como base uma versão francesa. Villas-Boas é um grande e competente profissional, especialista em autores franceses, todavia, uma tradução indireta acarreta em prejuízos. Embora você esteja lendo o mesmo livro, não será pela voz do autor.

Existe uma versão em volume único, da 34, com menos páginas (provavelmente por não ser ilustrada). Particularmente, gosto da divisão em dois volumes. Segurar um calhamaço cansa o braço, sem falar que as ilustrações de Bôscolo são um excelente acréscimo.

Caso você esteja em dúvida e não sabe qual edição comprar, meu artigo, onde comparo as traduções da Martin Claret e Editora 34, pode lhe ajudar! Para ler, acesse aqui.

Vale a pena ler? O veredito

Um dos melhores livros que já li. Os irmãos Karamázov é incrível! Com um enredo vasto e cheio de personagens, Dostoiévski nos leva a refletir acerca de temas importantes, que tiram nosso sossego até os dias de hoje.

Só por esses detalhes a obra já merece um lugar em qualquer prateleira. Mas ela não é perfeita!

O autor adorava escrever romances longos, com linguagem rebuscada e um estilo truncado, além de parágrafos longuíssimos. Ele corria contra o tempo e mal revisava seus trabalhos.

Quem sofre somos nós, já que a leitura acaba sendo um pouco cansativa. Outro ponto negativo são os personagens, seus modos e falas, não soando muito como pessoas reais. É uma linguagem extremamente literária.

Quanto maior for a maturidade daquele que lê, melhor será a experiência com Os irmãos Karamázov. Com certeza eu terei que fazer uma nova leitura quando for mais velho. Os defeitos que citei não diminuem a qualidade e grandeza desse monumento literário. Realizar sua leitura é uma atividade prazerosa, enriquecedora e necessária para amantes da literatura clássica.

Nota (de 0 a 5): 4,5

Os Irmãos Karamázov em dois volumes, pela Editora 34
Bonita ou não? A divisão em dois volumes é tudo de bom!

Ficha técnica

Título: Os irmãos Karamázov
Autor: Fiódor Dostoiévski
Tradução: Paulo Bezerra
Editora: Editora 34
Ano: 2012 – 3ª ed.
Páginas: 1040
ISBN-13: 978-8573264098
Encontre esse livro na Amazon: https://amzn.to/37J1p8h

Se você gostou desta minha resenha de Os irmãos Karamázov, faça um comentário. Se não gostou, faça também. Quero saber sua opinião! Deixe também um “gostei” e siga o blog nas redes sociais.

Grato por ter você aqui,
Forte abraço!


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Autor: Alan Martins

Graduado em Psicologia. Amante da Literatura, resenhista e poeta (quando bate a inspiração). Autor e criador do Blog Anatomia da Palavra. Não sou crítico literário, porém meu pensamento é extremamente crítico. Agora, graduando em Letras.

5 pensamentos

    1. Com certeza. Um autor essencial. Reler essa obra deve ser uma experiência maravilhosa, que também farei em algum momento do futuro.
      Obrigado pela visita e pelo comentário. Boas festas, que você tenha um ótimo final de ano!
      Abraço.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s