Duna, de Frank Herbert – Uma resenha

Leia minha resenha e conheça o universo do livro Duna antes de assistir ao filme de Denis Villeneuve, que estreará em 2021!

Capa do livro Duna, com arte de Marc Simonetti, para a Editora Aleph

Citada como a obra de ficção científica mais vendida do mundo, Duna é um clássico do gênero. Foi a primeira vencedora do Nebula Award, em 1966, e também faturou o Hugo Award no mesmo ano.

Não é a primeira vez que o romance de Frank Herbert irá para as telonas. David Lynch já dirigiu uma adaptação nos anos 1980 e o canal Syfy produziu uma série em 2000.

Porém, as expectativas são altas para o filme de Villeneuve, conhecido por Blade Runner 2049. Por conta da pandemia do novo coronavírus, a estreia foi adiada para 2021.

Enquanto isso, fique aqui comigo e conheça mais a respeito desse livro que se mantém relevante até os dias de hoje!

Arrakis, Império e os Fremen

O universo criado por Herbert é vasto e repleto de minúcias. Podemos dizer, sem fazer qualquer comparação, que Duna é para a ficção científica aquilo que O Senhor dos anéis é para a fantasia.

Paul Atreides é filho do Duque Leto Atreides, que governa o planeta oceânico Caladan. Paul é filho de Lady Jéssica, uma Bene Gesserit, ordem matriarcal de importante papel político, religioso e social.

Desde muito cedo o jovem Atreides foi treinado nas artes do combate físico, assim como na doutrina Bene Gesserit. Paul se tornou mais que um grande combatente, obtendo o domínio de capacidades psíquicas sobre-humanas.

A humanidade desbravou o espaço. Quem domina a galáxia é o Imperador Padixá. O controle dos planetas é dividido entre as Casas Maiores e Menores, em conjunto com a Guilda e as Bene Gesserit. Trata-se de um sistema feudal.

O Duque Leto Atreides recebeu o controle de Arrakis, conhecido por sua aridez e falta de água. Apesar disso, o planeta é financeiramente estratégico, nada de araque (juro que essa foi a primeira e última piada infame desse texto). De suas areias é extraído o mélange, ou especiaria, narcótico valioso e cobiçado por muitos.

Mesmo com condições tão adversas, o planeta é habitado pelos Fremen. Esse povo se adaptou às condições extremas de Arrakis. Suas vestes, os trajestiladores, são capazes de captar a umidade e dejetos do corpo, transformando-os em água potável. Sem falar que eles conseguem conviver com os imensos e temidos vermes da areia!

É evidente que o líquido é o bem mais valioso e escasso do novo lar dos Atreides. Os Fremen possuem uma profecia: chegará o dia em que surgirá o Messias que os guiará ao paraíso.

Controlar Arrakis pode despertar a inveja das outras Casas. Os Atreides correm perigo. Paul e sua família terão de enfrentar traições, disputas políticas e antigas profecias religiosas. Só temos uma certeza: a vida do rapaz nunca mais será a mesma.

O livro é bom?

Duna é um dos maiores feitos sci-fi de todos os tempos. Vale ressaltar que esse é apenas o primeiro volume de uma série de 6 livros. Frank Herbert criou uma história colossal, rica em enredo e detalhes que fazem toda a diferença.

Lendo isso, alguns pensarão se tratar de uma leitura difícil. Não tenha medo. O autor criou uma vasta terminologia e uma religião inspirada no islamismo, budismo e cristianismo. Todavia, tudo se encaixa muito bem na narrativa e será raro o leitor se encontrar “boiando”.

A trama apresentada no primeiro ato das Crônicas de Duna é ampla, movimentada por questões políticas e por uma profecia. Aliás, esse lado profético estraga um pouco o clima. As situações acontecem para se adequar, coincidindo com as antigas escrituras: nossa, ocorreu algo… é a profecia; nossa, aconteceu outra coisa… era exatamente o que a profecia afirmava. Soa pouco natural!

Sim, o romance ostenta um excelente conteúdo para quem gosta de épicos e universos gigantescos. Fãs de ficção científica e fantasia vão amar a obra, uma vez que ela apresenta tudo aquilo que tais gêneros literários necessitam.

Perfeito demais? Infelizmente precisamos citar mais pontos negativos. Há diversas cenas de batalha que não empolgam. A narração das lutas não traz a sensação do perigo, da emoção. Outro ponto baixo são algumas descrições cansativas, que deixam o livro mais longo do que ele poderia ter sido.

Para um romance extenso, até que há poucas seções maçantes. Os segredos de Arrakis são empolgantes e fazem a leitura fluir. Estamos falando de um clássico, e tal posto foi alcançado por mérito.

Sobre a edição da Editora Aleph

Capricharam na edição! Capa dura, com arte de Marc Simonetti e acabamento em Soft Touch, miolo em papel Pólen Soft e boa diagramação.

Tradução de Maria do Carmo Zanini. Não é fácil adaptar tantos termos criados pelo autor, e o trabalho da tradutora ficou muito bom.

Vale a pena ler Duna? O veredito!

De acordo com Neil Gaiman, em seu prefácio à obra, Duna, dentre os grandes romances sci-fi, é aquele que se manteve mais relevante. E o autor de Deuses americanos está correto!

Ao abordar a escassez de água, o livro nos alerta para a importância da preservação ambiental e os problemas causados pela poluição. Existe até um personagem ecólogo! O tema está lá; não é o mais importante, contudo, se faz presente.

No contexto apresentado por Frank Herbert, computadores e máquinas inteligentes foram extintas. Circunstância inusitada, que gerou a necessidade de os humanos desenvolverem capacidades mentais de processamento fora do comum.

Vale a pena conhecer Duna e suas nuances. Além de épica, a obra foi inovadora em vários aspectos. Acredito que o enredo não se enquadre no gosto de todo mundo, mas quem gostar vai se apaixonar!

Nota (de 0 a 5): 4 ⭐

Livro Duna publicado pela Editora Aleph em 2017, capa dura
A belíssima edição da Aleph! De encher os olhos.

Ficha técnica

Título: Duna
Autor: Frank Herbert
Tradução: Maria do Carmo Zanini
Editora: Aleph
Ano: 2017 – 2ª ed.
Páginas: 680
ISBN-13: 978-8576573135
Encontre esse livro na Amazon: https://amzn.to/3mmXORp

Curtiu minha resenha do livro Duna? Diga-me, nos comentários, o que achou e também me fale se você está empolgado para assistir à adaptação de Denis Villeneuve!

Para me dar aquela força, siga o blog nas redes sociais e não se esqueça de deixar seu gostei!

Obrigado pela leitura!
Abraços.

Assista ao trailer do filme de 2021!


Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Autor: Alan Martins

Graduado em Psicologia. Amante da Literatura, resenhista e poeta (quando bate a inspiração). Autor e criador do Blog Anatomia da Palavra. Não sou crítico literário, porém meu pensamento é extremamente crítico. Agora, graduando em Letras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s