Ensaio Comportamental: trabalhando a assertividade

assertividade_ensaio_comportamental_destaque
Ilustração por Tina Mailhot-Roberge. Disponível em: https://i.kinja-img.com/

Ensaio Comportamental é um procedimento utilizado para ensinar comportamentos por meio de treinamentos, em práticas de intervenção. A técnica inspirou-se nos trabalhos de Moreno, criador do Psicodrama, e de Wolpe e Lazarus. Esses autores buscavam a aprendizagem de novos padrões de comportamentos que deveriam ser emitidos diante dos estímulos eliciadores de medo. Salter, autor que apontava a importância da aquisição de comportamentos assertivos nos processos terapêuticos, também serviu como inspiração para a técnica do Ensaio Comportamental; assim como os trabalhos de Skinner, criador do Behaviorismo Radical, que contribuiu para a compreensão das leis que regem os comportamentos.

Habilidades sociais

Na área da psicologia clínica, é comum se deparar com pessoas que possuem déficits em seus repertórios comportamentais, tendo como consequência uma intensa ansiedade que as conduz a estados de sofrimento. São pessoas com grande dificuldade em desempenhar seus papéis sociais e de expressar seus sentimentos e opiniões.

Com o Ensaio Comportamental, o terapeuta visa instalar ou aperfeiçoar as habilidades interpessoais, o que irá contribuir para uma melhor qualidade de vida. E para obter-se isso, uma das técnicas mais utilizadas é o desenvolvimento da assertividade (conjunto de habilidades de interação social que possibilita a expressão de opiniões, sentimentos e desejos).

Assertividade

Entende-se que o comportamento assertivo é impessoal e genuíno, uma expressão honesta de um pensamento, é socialmente apropriado, é empático e se difere dos comportamentos agressivos, pois não é coercitivo.

Um comportamento assertivo possibilita o bem-estar e uma diminuição da ansiedade, pois, dessa forma, a probabilidade de obtenção de recompensas sociais significativas é muito maior. Por meio de um treinamento assertivo, que inclui diversos métodos para aumentar e aprimorar suas habilidades sociais, uma pessoa poderá desenvolver a assertividade.

Técnica

A técnica de Ensaio Comportamental é um tipo de representação teatral, onde terapeuta e cliente representam seguimentos de interações sociais já vividas ou que serão enfrentadas no futuro. O terapeuta pode dar um modelo, desempenhando o papel do próprio cliente, ou o de pessoas ligadas a ele, e esse processo pode ser repetido várias vezes e os papéis podem sofrer alternâncias. Trata-se de uma técnica versátil, podendo ser utilizada em atendimentos individuais, de casal, ou familiar, além de poder ser utilizada com adultos e crianças.

Existem alguns pré-requisitos para a utilização do Ensaio Comportamental, como: obter uma boa descrição da situação problema (o que, como, onde ocorreu). A descrição precisa dar informações sobre os comportamentos verbais orais e não verbais. Através de perguntas e reforçamento diferencial de respostas, o terapeuta modela o comportamento de relatar a situação a ser trabalhada. Isso possibilita que o cliente identifique os comportamentos internos e externos de suas dificuldades, aprimorando seu repertório comportamental ao mesmo tempo. Além disso, é necessário decompor uma sequência comportamental em partes, possibilitando trabalhar somente um comportamento-problema por vez, limitar-se ao problema exposto naquele momento, simular interações breves; dar instruções ou modelos de desempenho; representar a cena; dar dicas sobre o desempenho; inverter papéis; reavaliar o desempenho e reavaliá-lo na sessão seguinte; e programar a generalização.

Alguns princípios e procedimentos, isoladamente ou concomitantemente, são utilizados no Ensaio Comportamental.

Instrução

Trata-se de uma descrição mais detalhada possível do que, e de como deve ser a interação de um comportamento. Há casos onde apenas as instruções são suficientes para ajudar a pessoa a enfrentar seus problemas.

Modelação

Principalmente via aprendizagem vicariante, no qual a pessoa aprende um comportamento por meio de observação. O cliente observa uma pessoa e depois deve imitá-la. Ao terapeuta, cabe tecer comentários sobre o desempenho, lembrando-se de reforçar os aspectos positivos e oferecer dicas para o aprimoramento. A modelação é útil em situações onde o desempenho do cliente é inadequado, ou quando ele não consegue interagir em um determinado contexto.

Ainda falando sobre modelagem, existe a Modelagem por Aproximações Sucessivas, procedimento onde se reforça positiva e diferencialmente desempenhos próximos ao comportamento desejado. Nesse procedimento, os elos de uma cadeia comportamental são divididos e o terapeuta irá programar uma sequência a ser trabalhada.

Uma ferramenta eficiente

O Ensaio Comportamental mostra-se bastante efetivo em outros tipos de atendimento, como o de casais, onde permite o terapeuta a lidar com os comportamentos encobertos de forma objetiva, fazendo a atenção dos casais sair das topográficas, passando a identificar as classes de respostas controladores de seus comportamentos interativos.

Como uma técnica útil para a instalação e aprimoramento de habilidades sociais, o Ensaio Comportamental é uma ferramenta coadjuvante nos processos terapêuticos e de aprendizagem em situações institucionais (como em escolas, por exemplo). Pode ser utilizado para promoção do repertório comportamental de pessoais com necessidades especiais e/ou déficits em diversas áreas. Assim como qualquer outra técnica, deve ser utilizada após o estabelecimento de um bom vínculo e por um terapeuta com pleno domínio de seus princípios.

Referência Bibliográfica

OTERO, V. R. L. Ensaio comportamental. In: ABREU, C. N. de; GUILHARDI, H. J. (Org.). Terapia comportamental e cognitivo-comportamental: práticas clínicas. São Paulo: Roca, 2004. p. 205-214.

Alan Martins

 


Parceiro
Amazon banner livros universitários
Clique e confira grandes descontos!

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Anúncios

Autor: Alan Martins

Graduando em Psicologia. Amante da Literatura, resenhista e poeta (quando bate a inspiração). Autor e criador do Blog Anatomia da Palavra. Não sou crítico literário, porém meu pensamento é extremamente crítico.

14 pensamentos

    1. Juju…acredita que logo no começo do post eu já lembrei da Patinatrix e dos inassertivos anônimos? 😄

      Alan, muito interessantes o tema e a abordagem. Continue com seu bom trabalho!
      Abraço, Fernanda.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s